Seguidores

segunda-feira, fevereiro 15, 2016

Algumas roupas não me vestem mais ...

Boa noite

A vida mudou, eu mudei.

Resolvi trilhar novos caminhos, novos ares, eles não são nem melhores nem piores que os que já percorri, são diferentes.

Esse blog já teve vários nomes e vários conteúdos, já me mantive anônima, já usei pseudônimos, mas houve um tempo que eu quis ser vista, encarei tudo de frente e me mostrei a cara, o corpo e a alma. Mas, em todo este tempo havia paixão por estar aqui, havia até uma certa necessidade de estar nesta casa e em tantas que percorri.

Aqui fiz amigos que carrego até hoje, depois de mais de 10 anos , conheci pessoas que de alguma forma contribuíram para a pessoa que me tornei.

No entanto,  sou movida a paixão, gosto do que é quente, as coisas mornas eu dispenso.
Já tentei voltar para o blog, já tentei blogagens coletivas,com menos periodicidade, mas não consigo, porque o blog para mim se tornou morno, quase frio, falta paixão, falta desejo.

Então, oficialmente venho me despedir daqui. Foi muto bom . As lembranças deste espaço, das pessoas que interagiram comigo e até das que me leram e nada falaram, ficam guardadas, Se é definitivo? Não sei dizer. Nada na vida é !

Gratidão é a palavra de despedida.

Beijos.

Déia



sábado, novembro 08, 2014

Sobre minha Bella

Boa noite.

Esta semana, foi uma semana atípica, passei com minha filha internada no hospital. Minha boneca de cabelos cacheados estava com pneumonia e uma forte crise de asma. E bastou que eu falasse para algumas pessoas, pedisse oração para outras que recebi inúmeras manifestações de carinho, cuidado e amor para com nossas vidas .
Algo realmente lindo de se ver. Gente de todo lugar, amigos distantes, conhecidos, visitantes, amigos e irmãos do coração, familiares, minha igreja, amigos da faculdade. Enfim, muita gente.
Foram palavras, gestos, orações, um doce olhar, um abraço apertado, e em tudo e em todo momento vi a presença e o amor Deus, se manifestando através destas pessoas.
Como é bom ser filha e amiga de um Deus que em meio as lutas, não nos deixa sós, que segura firme em nossas mãos e nos ajuda a atravessar o problema.
Eu amo te amar Senhor e minha vida é pra te servir.
Obrigada por me amar e por nunca desistir de mim, mesmo a despeito das minhas mancadas.
Obrigada pela minha vitória.
Obrigada pela saúde da minha  menina de cabelos azuis.
Linda noite.
Beijos.

"Teu louvor estará continuamente em.meus lábios "
 

terça-feira, outubro 14, 2014

Meu poeta

DESCOBRIR-SE

descobrir-se é o mesmo que não mentir.
o que ele queria mesmo era sentir-se despido
nu da alma para baixo
nu da cintura para cima
e perceber que poderia por fim a todos os engodos
que a vida lhe armara.
pensou que o ato de partir lhe abriria novos horizontes
belos horizontes
poentes avermelhados logo após os nasceres do sol.
ainda queria despir-se das máscaras
de todas as máscaras que lhe formavam muralhas
das muralhas que lhe desfiguravam a forma
das formas que lhe muravam as máscaras
e pelo visto ele não queria mais representar
mas ainda se lembrava de todos os papéis:
os principais e os coadjuvantes.
todas aquelas pessoas à sua volta
vendo-o nos trapézios
nas cordas bambas
nas quedas livres
como hipócritas espectadoras
esperando dele o melhor desempenho
a melhor interpretação
a melhor caminhada
o melhor equilíbrio
a mais convincente encenação.
mas ele havia se cansado
resolvera desinventar-se
descontruir-se
desenclausurar-se.
obviamente ninguém o reconheceria
agora
que estava nu
mas viveria
um 
dia
de
cada
vez.

chegara a abrir a porta da frente
chegara a se apresentar ao primeiro que encontrou
por pouco não se perdeu
mas encontrou aquele lugar distante:
uma caverna sorrateira
uma bifurcação temporal
uma quase faca afiada.
e assim resolveu partir para lá
onde ninguém o conhecia
por isso foi embora
e deixou para trás
todas as suas peles
todas as suas máscaras
todas as suas vidas
todas as suas verdades
suas ostras
suas postas
suas estacas.
zero
recomeçaria do zero
tentaria recomeçar
do início.
sentiu seu coração parindo
novas saudades
[novas reentrâncias]
que todos chamam de...
agonia
mas aí
já era tarde.

ele finalmente se rendeu ao inevitável
como a perseguir resultados
mais que prováveis
por isso resolveu não mentir mais:
sim
continua poeta
sim
continua amando a musa
sem medos
(sem tantos medos)
claro.
[eu].

E eu deliro ...

SILÊNCIO EXTERMINADO

 
o silêncio será exterminado
a quietude será castigada
toda quietude tem sua hora de explodir
deixe então para trás o passado tão quieto
(eu deixarei)
deixe e diga o quanto saboreia esse momento
compartilhe comigo as longas caminhadas
as longas histórias de leveza e de encanto.
 
não me interessa quem já passou em sua vida
quem está passando
eu quero é ficar nela
ficar na sua vida e revivê-la
fazer você sentir vontade de revê-la
de sentir que é estrela
eu quero é fazer
recuar seus medos das desilusões
e não ter medo de dizer que estou em sua vida.

casar não é para todos
mas saiba que existem
sim
loucos por você.
 
entre em cena num supetão
não só como circunstante expectadora
mas como atriz principal do primeiro ato da
liberdade e da libertação.
 
de onde cheguei?
quando?
como?
aplausos
talvez
nada mais.

sim
cantaremos juntos
para esquecer as desilusões
e escolheremos os pequeninos
grãos de areia
que comporão nossos sonhos.
outra vez
MAS de antemão eu aviso:
não bastam os beijos.

doces...
suculentos...
ilícitos...

Vicente

Quero mais ...

EFEITOS DA EMBRIAGUEZ
minhas veias fervem
meu sangue escorre em meu decote
(se eu os tivesse)
se eu pudesse empregar o verbo
nesse tempo e nesse modo.
são os efeitos amigos
do idílio descoberto entre poetas
entre poesias e "anjas"
recomeçado na embriaguez das palavras
e que a natureza se encarregou de duplicar.
florescem ainda mais os textos
que se plantam em meio ao caos do querer
caminhos
distantes
ruas e eu
somente um eu
misturado a essa loucura desenfreada
dos murmúrios que você me
proporciona
com seus martelos de destravar silêncios.

eu falo que são boas lembranças
você fala que não parecem lembranças
então refaço minhas impressões:
são esperanças
não bebo mais a doce bebida da poesia 
a me embriagar
mas ainda me embriago
com a sua imagem
esteja onde estiver:
de viagem
de ida
de volta
da janela do décimo andar
ou daqui
dessas terras das alterosas.
e as taças ainda nem estão vazias...

Doces

Vicente
 
//