Seguidores

segunda-feira, outubro 03, 2005

Papo brabo




LEIAM COM ATENÇÃO

O HIV é transmitido quando uma pessoa entra em contato com os fluídos corporais de outra pessoa contaminada. Estes fluídos podem ser o sangue, o esperma, a secreção vaginal ou o leite materno e o vírus entra quando existe contato com alguma região sensível do corpo, como as mucosas que existem no pênis ou na vagina, ferimentos ou mesmo quando o fluído é colocado dentro do corpo da pessoa, como no caso de uma transfusão de sangue.
É preciso ficar atento, no entanto, para o fato de que uma pessoa contaminada pode não ter qualquer tipo de sintoma da doença, já que ela pode estar com o HIV mas não ter desenvolvido a aids. Muitas vezes, nem mesmo a própria pessoa contaminada sabe que está com aids e é por isso que todo sangue doado para os bancos de sangue é testado - e também é por esse motivo que você deve sempre usar camisinha nas relações sexuais.
A única forma de se saber se uma pessoa tem aids ou não é através do exame de sangue - e mesmo este está sujeito à chamada janela imunológica. Esta "janela" é um período, de em média três meses após a contaminação, que a maioria dos testes de HIV não conseguem detectar o vírus, pois o corpo ainda não desenvolveu os anticorpos que são procurados pelos testes no sangue da pessoa.


A contaminação pelo HIV acontece quando uma mucosa entra em contato com secreções do corpo de uma pessoa contaminada. A forma mais comum de contato entre "mucosas e secreções" é justamente o sexo, quando a boca, a vagina, o ânus ou a própria glande do pênis entram em contato com fluídos sexuais - como esperma ou secreção vaginal, que podem carregar o HIV.
A única forma de se prevenir é usar a camisinha, que impede a troca de fluídos de qualquer espécie. É importante lembrar que outros métodos anticoncepcionais, como pílula, DIU e espermicidas não protegem contra aids, apenas impedem a gravidez. A única forma mesmo de se prevenir contra a doença é a camisinha
Como é no sangue (nas células do sistema imunológico) um dos lugares onde ficam os vírus HIV que estão no corpo da pessoa contaminada, o contato com sangue contaminado é uma das formas de maior risco de contaminação.
Conheça as formas mais comuns de contágio pelo sangue:
» Transfusão de sangue - A transfusão de sangue pode ser considerada uma situação de risco, quando o mesmo não tiver sido testado e, sendo assim, o paciente pode receber sangue contaminado.
» Derivados de sangue - O uso de produtos derivados de sangue também merecem atenção.
» Seringas e agulhas - devem ser descartáveis e, quando não forem, certificar de que estejam esterilizadas
» Material clínico com sangue contaminado requer cuidado redobrado para não que ele não entre em contato com mucosas ou feridas de uma pessoa, que aí pode se contaminar.
vírus também pode ser transmitido durante a gravidez, pela placenta. Caso a mãe esteja contaminada pelo vírus, existe chance de se prevenir a contaminação do feto através do uso de medicamentos como o AZT.
O parto é uma situação de risco quando a mãe é portadora do HIV. A cesariana é o meio alternativo para a prevenção. A transmissão também está em risco durante a amamentação. Neste caso, é recomendado o leite da mamadeira ao leite materno. Os hospitais possuem banco de leite, mas é importante conferir se o leite foi pasteurizado.


Podendo ficar "invisível" no corpo humano, o vírus HIV chega a ficar incubado por até dez anos, sem que o infectado manifeste os sintomas da aids. O período entre a infecção pelo HIV e a manifestação dos sintomas da doença depende, principalmente, do estado de saúde da pessoa, que pode retardar, ou não, o aparecimento dos primeiros sintomas. Existem, inclusive, algumas que são infectadas pelo vírus, mas que não desenvolvem a doença. Estes casos, raros, são estudados pela medicina na tentativa de se conseguir desenvolver uma vacina eficiente contra a doença.
O vírus HIV age no interior das células do sistema imunológico, responsável pela defesa do corpo. Depois de entrar na célula, o HIV começa a agir e a se integrar ao código genético da célula infectada. As células mais atingidas pelo vírus são as chamadas CD4, que são usadas pelo HIV para gerar cópias de si mesmo. Cada vez que esta célula, quando infectada, se divide, ela produz uma cópia de seu código genético e, ao mesmo tempo, uma cópia do código genético do vírus. Infectadas pelo vírus, as células do sistema imunilógico começam a funcionar com menos eficiência até que, com o tempo, a habilidade do organismo em combater doenças comuns diminui, ficando sujeito ao aparecimento de doenças oportunistas.


Os medicamentos atuais usados contra a aids apenas diminuem a intensidade da reprodução do vírus no organismo. O coquetel de drogas bloqueia a reprodução do vírus em seu estágio inicial. O coquetel também contém um inibidor de protease, que impede que o vírus se fortaleça e destrua novas células. Mesmo progredindo lentamente, a aids pode causar sintomas no corpo. Fraqueza, febre, emagrecimento e diarréia prolongada são os mais observados. Com a ação das doenças oportunistas, que cada vez mais atacam o infectado, o corpo vai sendo atingido por infecções graves, que se integram ao HIV até causar a morte.

Nenhum comentário:

 
//