Seguidores

sexta-feira, maio 30, 2008

Falando


Estou sumida e sem paciência pra explicar nada, quero simplesmente falar , ninguém nem precisa ler e tampouco entender ...
Essa semana tá enorme, dura, difícil, dolorida, confusa.
Hoje tem 7 dias que estou com crise de labirintite e isso pode parecer algo bobo, tão simples, fácil de conviver mas não é. É uma sensação de estar bêbada o tempo todo, com enjôos e vômito,tontura, às vezes parece que tudo roda a sua volta, outras que vc é que esta rodando, parece que fico meio surda, zumbido na orelha entre outros .
Não trabalhei a semana toda, a intenção era ficar em casa descansando, curtindo, passeando, não ficar de molho , sem nem ao menos conseguir dirigir.
Quarta-feira tive um dia delicioso, isso até o final da tarde, quando ouvi algumas coisas que me fizeram pensar e repensar em algumas situações que estou vivendo e como nao deixaria de ser, chorei muito , horas seguidas, tive insônia e me questionei muito.
Ainda bem que tenho vc minha amiga Elizete, sempre pronta a me ouvir e a cuidar de mim.
Uma das coisas que veio forte é o fato que eu deixei este blog se perder, eu me vi diante de uma situação , e achei melhor abandoná-lo, mas ontem pensando nele, relembrei qual foi o intuito de tê-lo criado, e o maior dele , foi pra que fosse minha válvula de escape, aqui eu falaria o que quisesse, da forma que sentisse vontade, falaria sobre mim, sobre os outros, sobre meus sentimentos, vida e etc. Vinha sendo assim até que deixou de ser.
Notei também que tenho sentido falta de outras coisas , uma delas nesse momento seria um colo, um paparico, um dengo.
Hoje o dia foi passando e tirando meu mal-estar físico estava td bom , como tem sido normalmente, dentro da minha realidade, até que agora a noite, eu senti uma dor tão forte no coração, algo muito parecido com o que eu senti a pouco mais de quatro anos atrás.Me senti traída, enganada, uma idiota.
Não sou ( talvez agora seja um pouco mais) uma pessoa que cobra postura de outras.
Acredito mesmo que todos nós sabemos o que fazemos, temos consciência dos atos, por menores que sejam, por mais insignificantes que possam parecer.
Acredito que todos devêssemos ter empatia,devíamos mesmo nos colocar no lugar do outro.
Não tenho o direito de sentir nada disso, que tola!
Se enxerga garota.
E diante disso e depois de muitas e muitas vinte e quatro horas eu sai da minha abstinência do comer compulsivo, e simplesmente me vi comendo pra tentar esquecer, pra ver se a dor diminuía, pra tentar empurrar pra dentro a minha realidade, a minha dor.
Não fiz nada terrível como no passado, mas usei a comida , e isso é o que tenho que evitar, achei que tivesse aprendido, que engano.
Agora a tristeza só aumentou e por isso estou aqui escrevendo . De fato deveria ter vindo escrever antes de ter dado a primeira garfada, :S
O sono ainda não chegou, vou continuar esperando-o.

Beijos
 
//